Chris Garneau
Senhor Vulcão

2 Novembro 2014 · 21h00 · Conservatório Nacional
Michael Hart

Michael Hart

Um interregno de quatro anos após o álbum anterior, El Radio, poderá parecer luxo ou extravagância em tempo de consumo instantâneo e descartável. Em boa hora Chris Garneau decidiu armar-se com o mínimo indispensável e deixar Brooklyn. Durante este tempo e na calma conferida pela vastidão de uma quinta, entretido na rotina diária decidiu compor um dos mais luminosos álbuns da sua discografia, Winter Games, que virá apresentar no Salão Nobre da Escola de Música do Conservatório Nacional, a 2 de Novembro, naquela que será a sua estreia e única data em Portugal.

Chris Garneau não só tece delicadas recomposições dos diferentes tecidos e texturas sobre problemas contemporâneos que o inquietam e vêm sendo objecto de reflexão ao longo da sua discografia, como adopta um cunho marcadamente pessoal. Nas palavras do próprio – “I trusted myself on this record. For the first time, this record is me. That’s all I know”. Tecido a tecido conta-nos estórias. Estórias que são dele, mas que facilmente adoptamos como nossas. Confiná-lo ao espartilho da folk será limitar a sua liberdade, pois tanto nos convida para audições atentas de melodias que nos remetem para comparações com Bill Callahan ou Rufus Wainwright, como nos traz adornos mais barrocos de ligeireza pop e piscadelas de olho ao glam à la David Bowie. Para quem gosta de espaços não confinados, de tempo suspenso e decididamente sem as urgências quotidianas, este é o concerto indicado.

Na primeira parte, Senhor Vulcão. Um homem, a sua guitarra e o seu gravador de cassetes, a que se acrescentam poemas de verve certeira, a que o próprio prefere chamar de poemas trapezistas, muitos desafinos e desafios, acrescentamos nós, e temos o complemento perfeito para Chris Garneau.

Evento Facebook \ Last.fm

Morada Esc. Música Conservatório Nacional : Rua dos Caetanos, 29 – Bairro Alto, Lisboa
Transportes a_758 \ e_28E \ m_Baixa-Chiado

Chris Garneau
As a writer he has the deadpan playfulness of Bill Callahan and a delicate tenor voice that recalls Sufjan Stevens. The wistfulness masks beautiful melodies…
UNCUT

The singer-songwriter Chris Garneau’s fanciful and ornate compositions are haunted with melancholia and a dreamlike innocence; his falsetto voice often dances over staccato piano notes accompanied by sorrowful violin and pastoral cello parts.
The New Yorker

Chris hints at hope throughout the excellent Music For Tourists, not to mention a classically keen sense for composition (enter Rufus) and Buckley in the voicebox, both in his breathy and vibrato fueled moments.
Stereogum

Senhor Vulcão
Densa folk em que a palavra cinzela e macera cadências acutilantes. Diríamos até uma espécie de rap sorumbático e quase despido de adornos: leves percussões, assobios e uma guitarra pouco melódica.
P3

>