Ghost Hunt
Acid Acid

7 Abril 2016 · 23h00 · DAMAS

GHOST HUNT é ruído feito com muitas máquinas, mas é ruído feito com paredes e paredes de som meticulosamente combinadas. Paredes essas que revelam ser linhas melódicas, que podem ser curtas como jingles ou longas como cantos de baleia. Com Pedro Chau a servir-lhe linhas de baixo muito tensas e ásperas, Pedro Oliveira instala em palco um estúdio de som. Para um ouvinte com carinho por etiquetas, a primeira referência a que imediatamente associamos Ghost Hunt é a bandas como Kraftwerk, Harmonia, Cluster, Neu! A razão é menos estética do que operativa: há no modo de tocarem, uma grande afinidade pelas técnicas de assemblage da geração do krautrock. Temos de fazer marcha atrás por muito daquilo que os formou, acima de tudo a música dos anos 80: o som “shoegazer”, a techno de Detroit, o acid, o electro industrial, o synthpop, e, lá mais para trás, o punk, o rock psicadélico, o garage rock. Mas este arsenal de correntes estéticas, na praia de Ghost Hunt, dissolve-se em rochas sedimentares e areia muito fina. A música está nas ondas. Na zona de rebentação. É uma fábrica de sons vivos a engendrarem delírios de viajante. Visitamos um laboratório de memórias psicotrópicas, com infinitos jogos de dança, jogos de quero-mas-não-toco, e uma multidão de diálogos e juras de amor às camadas geológicas da música. Viajamos dentro do som. Às vezes até julgamos reconhecer algo familiar, que nos fascinou há muito, muito tempo – mas fomos apenas surpreendidos pelo fantasma da música a ser caçado à nossa frente. (Rui Catalão)

ACID ACID Projecto emergente do radialista Tiago Castro, há muito ligado à música na sua facção de melómano e divulgador, que decidiu, em 2014, passar para o palco um amor confesso pelo psicadelismo e pelos ensinamentos sonoros das décadas de 60 e 70 tal como delas se lembra toda uma geração que não as viveu na pele.

Evento Facebook
Morada DAMAS : Rua da Voz do Operário, 60, Lisboa (Graça)
Transportes a_734 e_28

>