Laura Gibson
Minta & The Brook Trout

30 Abril 2010 · 21h30 · Nimas

Laura-Gibson

Vive em Portland, canta canções e toca uma guitarra de 6 cordas. Simples, como a sua música, é esta a apresentação que Laura Gibson faz de si própria. É esta timidez aconchegante que inunda as suas composições e nos faz abraçar a sua música e prosseguir viagem com ela. Ao longo dos seus discos, Laura trabalha as suas composições de forma imaculada e doce. Tudo isto contrasta com alguma carga que as suas letras trazem.
Laura Gibson volta a Portugal para nos apresentar o último disco em nome próprio, “Beast of Seasons”, lançado no ano passado. Escrito num quarto com vista para as lápides de um dos mais velhos cemitérios de Portland, o disco pode ser considerado como um conjunto de nove meditações sobre a nossa mortalidade.
Ao longo das nove canções, Laura viaja à volta desse tema, dançando e celebrando a urgência da vida. Um disco introspectivo, mas que contou com a colaboração de alguns músicos de Portland – Nate Query dos The Decemberists ou Rachel Blumberg dos Bright Eyes, entre muitos outros – que fizeram questão de deixar um cheirinho à costa oeste norte-americana. Sente-se o cheiro a madeira húmida, a terra molhada, a uma vela a arder ao canto, ao nevoeiro lá fora…

A abrir o concerto de Lisboa, Francisca Cortesão, songwriter mais conhecida como minta, apresenta o seu projecto pessoal, que começou como tudo o que é bom devia começar, amigos a passar lá por casa, a tocarem velhas músicas, que levam a que novas apareçam, que levam a que se toque ao vivo, que levam a um álbum onde se apresentam como “Minta & the brook trout“. Acompanhada por Mariana Ricardo no baixo e Nuno Pessoa na bateria, é o regresso aos palcos lisboetas de uma das mais interessantes cantoras lisboetas.

Morada Espaço Nimas : Av. 5 de Outubro, 42 B
Transportes  m_Saldanha

“Both quietly devastating and life arming” MOJO
“An arrestingly understated, accomplished work – one that ought to see her emerge from the shadow of her contemporaries with no little grace.” Drowned in Sound
“The idiosyncrasies in Gibson’s forlorn croak and the deep melancholy of her observations make for a genuinely moving listen” Q
“A new soundtrack for your next long hike through the enchanted forest.” Rolling Stone

>